domingo, outubro 28, 2007

Na garganta versos


Eu própria me distingo ao longe
deitada como estou sobre o dorso
a dizer que a língua me asfixia
cerceada por metáforas.
Na garganta versos,
tenazes nos pulsos impulsivos.

Fiama Hasse Pais Brandão, "Amo o ininteligível", in Obra Breve, Assírio & Alvim, 2006.

Sem comentários: