segunda-feira, novembro 05, 2007

Eugénio de Andrade


Caem os sonhos um a um
e o sangue estremece.
Caem, e ficam no chão
de quem os morde e os esquece.

Farto de seiva, o dia amadurece.

Eugénio de Andrade, in "As Mãos e os Frutos", Primeiros Poemas. As Mãos e os Frutos. Os Amantes sem Dinheiro, Quasi, 2006

Sem comentários: