domingo, novembro 11, 2007

Sintaxe do vento


Lembro-me do dia em que as palavras
revoltadas
se escaparam dos dicionários
ao vento
soltas
às voltas
como as folhas das árvores
livres da sintaxe do tempo o chão de terra
e a pedra quase eterna
cairam em poemas
de versos brancos
ao sabor das vontades
de todas as cores
as palavras
soltas revoltas
em contínuo movimento
passageiras das brisas

as palavras
em morfologias variadas

sem ordenações pré-fabricadas

Rui de Morais, in Caminhante, inédito, 2007.

1 comentário:

Rafael Gomes disse...

Parabéns pelo blog e pela poesia sussitada nos textos.
Tbm escrevo, se puder visite www.versosdoinverso.blogspot.com