sexta-feira, janeiro 11, 2008

Tal é o vago movimento da ingénua liberdade


A liberdade é saber que ninguém ouve ou vê
o que em imaginada visão vou escrevendo
e que não é mais que a contingência de um instante
em que a palavra se aventura a não ser nada

Para quê a palavra se não vem de uma nascente
e se não abre um horizonte? Mas a palavra irrompe
do oriente que contém em si e é o vazio magnético
que transmuda o nada em mutação azul

Que posso ser eu mais que o vibrante vagar
em que do mundo só sinto a sua lonjura de veludo
e na página cintilam as brancas constelações?

Tal é o vago movimento da ingénua liberdade
que toca o seu extremo e cria o seu espaço
em que atravessa a sua ausência branca

António Ramos Rosa, in As Palavras, Campo das Letras, 2001
Foto: Isabel Solano

1 comentário:

Chiara Luna disse...

O texto todo é lindo, mas levei este trecho comigo.
"A liberdade é saber que ninguém ouve ou vê
o que em imaginada visão vou escrevendo
e que não é mais que a contingência de um instante
em que a palavra se aventura a não ser nada"

Agora, vi o que você falou, ficou giríssimo.
Boa noite.