terça-feira, fevereiro 05, 2008

Vai, alma, vai!

Amor e morte: as obsessões da poesia. E Al Berto: uma das minhas obsessões.


é no silêncio
que melhor ludibrio a morte

não
já não me prendo a nada
mantenho-me suspenso neste fim de século
reaprendo os dias para a eternidade
porque onde termina o corpo deve começar
outra coisa outro corpo

ouço o rumor do vento
vai
alma vai
até onde quiseres ir

Al Berto, in "Uma existência de papel", O Medo, 2ª ed., Assírio & Alvim, 2000
Foto: Isabel Solano

Sem comentários: