quarta-feira, março 19, 2008

Última sombra na memória


Apagaram-se as luzes. Na memória
vibra a última sombra, a solidão
de um anjo cego abrindo pouco a pouco
os olhos. Desta noite
nascem todas as noites de quem fala
em silêncio e afoga
as suas dores no sangue incandescente
de uma estrela já morta, a cintilar
sob escuros escombros, entre sonhos
ainda por viver. Em cada alma
escorre um fio de mercúrio, essa lágrima
anunciando o paraíso, algures
no interior da treva.

Fernando Pinto do Amaral, in "Escotomas", Às Cegas, Relógio d'Água, Lisboa, 1997
Foto: Isabel Solano

Sem comentários: