sábado, maio 24, 2008

Terra


No silêncio do coro das cigarras
há um calor que me agarra
ao cheiro a chão e ervas
secas por sóis que ardem.

Ouço as notas do riacho
que corre ali mesmo ao lado,
estendo a mão às amoras
reluzentes, carmins, gordas.

Mordo-as. E sou já terra
da terra que ainda hei-de ser.

21/05/2008

Isabel Solano, in Entretextos, inédito, 2008.

Foto: Isabel Solano

Sem comentários: