quarta-feira, agosto 06, 2008

O prisioneiro


Começou de madrugada a obra
na mesma noite sonhada,
tijolo após tijolo,
colados pela argamassa
ligada pelas próprias mãos.
Subiu paredes de suor,
venceu cansaços,
ignorou abraços
de quem por ali passava
e o queria consolar.
Forjou barras inquebráveis,
grossas como os punhos
que nunca fraquejaram,
subiu um telhado simples,
que servisse apenas a função
de rematar a construção.
A obra ficou terminada;
finalmente chegara a Hora,
não perdeu tempo a olhar.
Empurrou a porta pesada,
entrou, deu duas voltas à chave,
retirou-a da ranhura,
foi à janela pequena
e lançou-a pelas grades
com a força que restava.
Um corvo que ali passava
apanhou a chave no ar,
foi-se embora, levando-a céu afora.
O homem deitou-se no chão
e descansou então para sempre
sobre a liberdade conquistada.

Março/2007

Rui de Morais, in Caminhante, inédito, 2007
Foto: Isabel Solano

Sem comentários: