terça-feira, fevereiro 24, 2009

As coisas vêm vão e são tão vãs


MAS QUE SEI EU

Mas que sei eu das folhas no outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?

Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono

Nenhum súbito súbdito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha

qualquer. Mas eu que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha

Ruy Belo, in "Monte Abraaão", Todos os Poemas - 2, 2ª ed., Assírio & Alvim, 2004.
Foto: Isabel Solano

1 comentário:

Chiara Luna disse...

algumas coisas vem e vão
entretanto certas pessoas vem e ficam, como tua presença em nossas vidas.

Linda foto e texto de Ruy que no nome já diz, Belo.