sexta-feira, maio 01, 2009

Ainda a ponte


Se um dia secarem as palavras
do rio que só nós soubemos navegar
se acordarmos sós e despidos
das quimeras que já não podemos segurar
restará ainda a velha ponte
hirta e fria, abandonada,
sobre um leito desfeito, vazio,
e alguns versos soltos pelas margens
como as folhas de outono

de nós nada mais se ouvirá

15/04/2009

Isabel Solano, in Sem nós na garganta, inédito, 2009.
Foto: Isabel Solano

8 comentários:

Chiara Luna disse...

Ao ler lembrei-me desta canção do Chico e deste trecho;

Tantas palavras
Que eu conhecia
E já não falo mais, jamais
Quantas palavras
Que ela adorava
Saíram de cartaz

Nós aprendemos
Palavras duras
Como dizer perdi, perdi
Palavras tontas
Nossas palavras
Quem falou não está mais aqui


********)

Chiara disse...

Olá !!!
estou passando pra te Parabenizar pelo seu Blog.

Seja bem vinda ao meu !
bjs

VFS disse...

...

só o lamento do vento pelos sonhos que se foram,
e a ponte para os alcançar.

belo!

obrigado

casa da poesia disse...

..."se acordarmos...sós e despidos"!...lindo!...para ti...

"Ima phuyun jaqay phuyu."

besos poetiza!

Chiara Luna disse...

passei para dizer da saudade, da promessa de caminhar, de tempos que ainda viveremos.
o abraço que atravessa o mar.

Eduardo Trindade disse...

Estive ausente por conta das férias... Mas acabo de voltar ao mundo bloguístico e me delicio aqui com tuas palavras e com a imagem. Muito bonito tudo. Tão bonito que o sentido dos versos, que poderia ser talvez assustador, acaba por ser tão sereno...
Abraços!

Chiara Luna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Chiara Luna disse...

Atravessei o ribeiro para deixar-te um abraço.
E que bom ouvir o "tanguear" neste espaço.
Bela escolha musical
Bêjo


PS Devia estar sem óculos e precisei revisar:-))))