sábado, dezembro 12, 2009

Ilusão inalienável


Ora, quero lá saber da chuva,
do vento que uiva lá fora,
do rio furioso que transborda,
dos raios, dos trovões,
de todas as intempéries!

Quero antes aquecer ilusões
à lareira, todos os serões,
de portas e janelas bem fechadas,
para que das chuvas ácidas
que afogam esse mundo estranho
no meu mundo nunca entre nada!

19/11/2007

Bárbara Pais, in In Vida Veritas, inédito, 2007
Foto: Isabel Solano

4 comentários:

Gabriela Bruno disse...

Lindíssimo, imagem e poema.
Bêjos
:))

larans disse...

Wonderful and picturesque photo and as far I understand (by google-translation) a suitable poem.

lobices disse...

:)

AC Rangel disse...

Lindíssima esta poesia da Bárbara. Muito inspirada ela nos oferece esta pérola...