quinta-feira, abril 14, 2011

Faz-se luz



Faz-se luz pelo processo
de eliminação de sombras
Ora as sombras existem
as sombras têm exaustiva vida própria
não dum e doutro lado da luz mas no próprio seio dela
intensamente amantes loucamente amadas
e espalham pelo chão braços de luz cinzenta
que se introduzem pelo bico nos olhos do homem

Por outro lado a sombra dita a luz
não ilumina realmente os objectos
os objectos vivem às escuras
numa perpétua aurora surrealista
com a qual não podemos contactar
senão como amantes
de olhos fechados
e lâmpadas nos dedos e na boca

Mário Cesariny, in Pena Capital
Foto: Isabel Solano


7 comentários:

R de Regina disse...

Gosto muito.
Beijo

Carlos de Matos disse...

... como se pode não gostar?

beijo.

Loca disse...

Lindíssima....
Bêjos

Chiara disse...

Que lindo.. Adorei !!!

ótima semana !!

Monet disse...

Que leveza... O conjunto todo,o poema,a música e a poetisa...
Abraços.

Fábio Murilo disse...

Tudo existe e inexiste. O vento existe e não existe, só o sentimos mas não tem formação. Certos sons inaudíveis, ouvidos somente por ouvidos de cão. O infravermelho do controle remoto. Até as cores não tem vida realmente, só ganham vida quando percebidas. Quem tem olhos prá ver que o veja, quem tem sensibilidade vai além da claridade.

Ir, desculpe, acho que tentei escrever um poema em vez de dar uma opinião, foi sem querer. Poema muitíssimo interessante o seu. Belo jogo de imagens luz/sombra. bela metáfora, elegante. Te seguindo.

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/







Dois Rios disse...

"As sombras têm exaustiva vida própria."

Verdade!

Lindo poema!

Bjs.

Inês